terça-feira, 31 de julho de 2012

Filosofia Oculta: Viagem ao Espigueiro Esmeraldino



Era mais ou menos duas horas da manhã. Lord Vincus estava em seu quarto meditando, e o único som que se ouvia era o de cantos gregorianos que eram gerados pelo seu computador, sons que ecoavam por todas as paredes.


O jovem magista deitou-se de barriga para cima e então algo lhe ocorreu. Estava dormindo e ao mesmo tempo consciente de tudo ao redor.


Primeiramente sentiu um grande peso sobre seu corpo, conforme lutava para levantar o peso migrava paras as partes que continuavam na cama como a perna e a cintura, quando finalmente levantou-se completamente, contemplou seu corpo inerte dormindo, e em um determinado momento ele já não se interessava mais.


 >> Fechei os olhos, desejei visitar os montes onde um velho amigo habitava, e ao abrir os olhos, eu lá estava.


 O chão estava tomado por fios d’água cristalinos cortando o chão de pedra, toda a água partia de um único local, uma caverna mais adiante, o sol brilhava no alto de um céu alaranjado ornado de duas luas, o clima era muito agradável.


Ao me aproximar da caverna ergui as mãos e evoquei a chave vincuniana sob meus pés, o símbolo brilhou forte em tons de verde, e foi então que eu disse:
“Dragão alado do ar,
Seu poder e coragem me dão animo para guerra,
Sua presença é poderosa e desaprova todos os covardes,
Eu o evoco a elevar-se como um tornado.

Dragão alado voe sobre os campos do ocidente,
Descanse sob a luz do poente,
Pois o seu poder evoco para auxílio,
O poder de um amigo de muitas eras.”

(Grimório pagão Vincuniano)


Um grande rugido foi lançado para fora da caverna. Decidi entrar, lá dentro estava muito escuro, e ao chegar a um determinado ponto, dois olhos vermelhos muito brilhantes iluminaram o local. O dono desses faróis era um enorme réptil coberto por escamas verdes reluzentes, o pescoço e as costas possuíam ossos afiados brotando sem ordem, suas asas estavam abertas, o que lhe deixava ainda maior, e de sua boca lotada de dentes escapava uma fumaça acinzentada, que por vezes encobria seus bigodes de carpa.


Coloquei-me à frente dele e desejei olhar por ele; e assim ocorreu, ao invés de vê-lo, via a mim mesmo. Não como costumo ver as coisas, mas de alguma forma também enxergava com o olfato.


Eu via um humanoide, muito vermelho e brilhante, possuía um cheiro metálico que me abria o apetite, rapidamente deixei a visão do dragão e voltei a mim.<<

Espigueiro: Há quanto tempo não lhe vejo, e não ouço aquela evocação sem nenhuma beleza ou harmonia.


Lord Vincus: Ora Esmeraldino, se esquece de que eu era ainda jovem quando compus aquilo?


Espigueiro: Você ainda é jovem Lord Vincus, jovem e tolo, mas dentre a maioria do humanos, ser seu guia não é uma opção tão desagradável.


Lord Vincus: Vejo que seu bom humor continua intacto, mesmo depois de um ano sem minhas visitas.


Espigueiro: Tenho vida muito longa em relação aos seres mais jovens, um ano terrestre não é nem de longe uma grande espera, mas em relação ao período de visitas que você costumava fazer, sim, faz muito tempo.


Lord Vincus: Não vamos ficar jogando conversa fora, não sei quanto tempo conseguirei permanecer separado do meu corpo denso, então vamos ao que interessa.


Espigueiro: O que deseja Lord Vincus, pelo intelecto, apreender?



Lord Vincus: Quero que me ajude a melhorar minhas habilidades e conhecimentos.


Espigueiro: Até que suas habilidades sejam consideradas dignas de serem chamadas assim, levará muito tempo e será muito trabalhoso, mas posso ajudá-lo a seguir por esta via meu jovem pupilo.


Lord Vincus: Por onde começo guardião?


Espigueiro: Você precisa aprender muito, e há condições não suficientes, mas necessárias que está ignorando. Comece revendo seus apetites, pois muito permanece em ti daquilo que constitui as bestas, e disto devia se envergonhar. Cuide também de teu intelecto, que embora tenha feito bom avanço, ainda continua rudimentar, estude a natureza, pois conhecendo o anjo alcançará o arcanjo.


Treine, Lord Vincus, treine como se uma batalha iminente estivesse à tua espera, tenha-se sempre atrasado, esteja sempre a exercitar a guerra.


Afaste-se dos vícios que drogam o cérebro, dos excessivos vapores da carne que embebedam o espírito, e que sempre nos deixam temerosos quanto à nossa imagem perante os iguais e superiores, pois o Bem ou aquilo que se faz de boa fé, não envergonham a alma.


Não bastam a saúde e o intelecto em ato para a eudaemonia, mas as coisas que são vergonhosas ao espírito devem ser evitadas, aquelas coisas comum à mente humana, como os vícios do corpo e tudo aquilo que choca os espíritos dos viventes. Pois a eudaemonia é egoísta, não deve ser feita à custa de outros ou visando-os.


Pois apreende agora meu filho, antes que seu corpo pereça e teu espírito se esqueça, pois é tendência do espírito tornar-se esquecidiço, como uma criança traumatizada, que se esquece de suas mazelas e substitui suas memórias por inúmeros símbolos e manifestações de seu passado, sejam de forma dolorosa ou não dolorosa.


>> Minha projeção passou a oscilar, minha visão foi tornando-se turva.<<


Espigueiro: Teu corpo o chama, ainda está intoxicado de teus maus costumes, vejo que não poderás mais ficar aqui. Leve esta última pérola com você:


“Oh, Humanos perecíveis, embevecidos pelo vinho sem mistura da ignorância, cuja realidade limita-se aos olhos sensíveis, e quando pior, a fé não é posta sob a razão. Oh, despertai corais humanos, despertai, pois o sofrimento desmedido e o não zelo pelo intelecto adoece a vossa alma. Oh, pobres sentimentalistas, 'ofensíveis' e efeminados, pobres e fracos, olhai no espelho à sombra da magnificência, à sombra demiúrgica, ansiosa por liberdade e respeito. Não matem o homem e a natureza por idealismo, idealizem um homem melhor de forma não destrutiva. Que verdades possuem aqueles que ainda sofrem? Que bens podem oferecer, que já não ofereceram a si mesmos? Crescei e multiplicai seus conhecimentos e horizontes, pois não só de pão vive o homem, já que este não é só corpo, é intelecto também, e esta parte queima de desejo pelo conhecimento."


>> Após calar-se, o dragão expeliu uma onda de fogo sobre mim, fui impulsionado rapidamente de volta, e quando voltei, foi como tivesse saltado de uma grande altura que ao bater no chão, fez meu corpo subir alguns centímetros.


Eu estava mais leve, momentaneamente me sentia mais leve, como se a chama do dragão tivesse clareado e aquecido meu espírito.<<



 Lord Vincus
2012 

2 comentários:

jaymetec@gmail.com disse...

Saudações. Gosto muito dessas postagens. Elas são feitas pelo Vinicius, ou pelo Vinicius enquanto um mago? A pergunta parece tola, mas me refiro a inspiração natural, ou a revelação do Mago Vinicius.É só uma curiosidade, pois seja qual for. é boa e atinge as espectativas. Um abraço e muita energia.

Vinicius Pimentel Ferreira disse...

é uma mistura dois dois, inspiração ou revelação e pesquisa rsrs. Fora a experiência que está em quase todas.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Hostgator Discount Code
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...